Fantasia, Ficção Cientifica e a Fantasia Científica.

   Tá certo, pessoal, já virou meio que um clichê sites de literatura analisarem as diferenças entre esses dois gêneros ou explicarem porque um é mais popular que o outro. Mas eu gosto bastante dos dois gêneros e acho o máximo quando eles se misturam em uma mesma história. Ao invés de contrapor esses gêneros, como vemos em comunidades de fãs, porque não apreciarmos quando eles se misturam em uma história?
   Mas primeiro vamos definir melhor o que é Fantasia, o que é Ficção Científica e como eles podem se encontrar em uma mesma história.


    A Fantasia em literatura se caracteriza pela construção de uma história em um ambiente absurdo se comparado com a realidade. Geralmente, se passa em um universo próprio, com bestas imaginárias, raças humanoides, misticismo no lugar de tecnologia avançada e elementos ecogeográficos surreais; mas sem deixar muito claro como tudo isso é possível, e se a história se passa em um outro planeta ou se é um passado oculto e fantástico do nosso próprio planeta, ou se é o futuro.
  Se, no decorrer da história é revelado que ela se passa em um outro planeta, por exemplo, flagra-se, neste caso, o uso de elementos de Ficção Científica; pois seus dragões, suas raças humanoides e seu ambiente exótico ficam cientificamente explicados como sendo um mundo alienígena, deixando de ser, assim, fantasia pura. Se há o uso de tecnologia avançada, como naves, rifles de laser, etc, há novamente uma explicação científica para as forças dos personagens e, novamente, a Fantasia se funde com a Ficção Científica.

  

   Já uma história se manifesta como Ficção Científica quando o autor tenta convencer o leitor de que os elementos na história são plausíveis, pelo menos teoricamente. O autor explica a história, não raro, usando ciência teórica. Tenta explicar como a espaçonave viaja mais rápido que a velocidade da luz, tenta explicar o funcionamento dos equipamentos e armas usados pelas personagens. Ou o funcionamento ecológico do planeta, bem como sua astrofísica e sua posição no espaço. Muitas vezes, o autor usa o tempo futuro como um recurso para tornar toda aquela tecnologia avançada plausível, ou seja, a humanidade teve muito tempo para desenvolver todas aquelas maravilhas.
   Mas, vamos supor que o capitão e sua tripulação desçam em um planeta que é governado tiranicamente por um poderoso mago. A magia desse tirano e, talvez, também outros elementos mágicos no planeta, não foram satisfatoriamente explicados pelos cientistas da tripulação. A magia simplesmente rola solta no planeta e existe de uma forma que não pode ser explicada cientificamente. Vemos agora, a Ficção flertando com a Fantasia.
   Embora Fantasia e Ficção Científica possuam diferenças claras entre si, elas podem coexistir e resultar em histórias deliciosas! Criando um gênero híbrido: A Fantasia Científica.

  
   A Fantasia Científica acontece quando, dentro de um mundo absurdo de fantasia o autor tenta convencer o leitor que mesmo o absurdo poder ser plausível em algum lugar no cosmo, fornecendo explicações para o absurdo. Ou quando, dentro de um mundo irrealista, talvez futurista, mas tornado plausível pelo autor, algo chocantemente absurdo e inexplicável acontece.
   Um ótimo escritor de terror, ficção científica e fantasia que, frequentemente, misturava os três gêneros foi Howard Phillips Lovecraft. Fica combinando conversarmos mais sobre ele na próxima...
  

Nenhum comentário:

Fernando Vrech. Imagens de tema por andynwt. Tecnologia do Blogger.